Pod Informar Nº 13 | janeiro 2024

Caros(as) Colegas,

2024 começa como acabou 2023, no meio de tal turbulência política que é impossível antecipar o que vai acontecer. Que governo vamos ter? Que configuração política terão o executivo e o parlamento? Que prioridades têm os partidos políticos para a área da Justiça e de que modo poderão afetar a Advocacia?

São tudo questões em aberto às quais, no Tema de Fundo desta primeira edição do ano, procuramos responder, antecipando alguns cenários, ameaças e também oportunidades. Independentemente da ‘tempestade’ política.

No Mês em Revista demos destaque à primeira grande organização do CRLisboa em 2024, os “Estados Gerais da Justiça”, onde reunimos durante um dia inteiro de trabalhos todo o tipo de agentes do setor, entre Advogados, Presidentes de Sindicatos, Grupos Parlamentares, Juízes e Jornalistas especializados, para debater o futuro da Justiça.

Na Academia do Advogado, o destaque vai para a Doutrina, este mês sobre “A caducidade de garantia no processo de execução fiscal”, da autoria de Andreia Barbosa. Como sempre, pode ficar a par da informação atualizada da Formação, Legislação, Jurisprudência e Serviços do CRLisboa – nesta edição, esta rubrica é dedicada à Plataforma dos Sigilos – sem esquecer os vídeos e e-publicações organizadas pelo CRLisboa.

Boas leituras e Excelente 2024!

O vosso Colega,
João Massano

LEIA AGORA

Versão integral em PDF

 



Formação
Os Novos Desafios do Regulamento de Inteligência Artificial

Conferência Modelo Híbrido
Os Novos Desafios do Regulamento de Inteligência Artificial
25 de junho de 2024 das 14h30 às 18h00

Divulgação Moodle
POD INFORMAR n.º 17 | 50 anos do 25 de abril, Liberdade de Expressão e Advocacia

A revista institucional do CRLisboa, a POD INFORMAR, passa a estar disponível em formato completamente digital em https://podinformar.pt/

arquivo
POD ESCLARECER | 25 de abril, 50 anos com Daniel Proença de Carvalho Episódio 91

Daniel Proença de Carvalho, um dos mais conhecidos Advogados da praça portuguesa, inscreveu-se na Ordem dos Advogados em 1968. É uma figura incontornável da sociedade portuguesa ainda antes do 25 de abril.